Escolha uma Página

Em 1985, Martinho da Vila lançou álbum intitulado “Criações E Recriações“. O nome do disco aludia ao fato de parte do repertório autoral ser composto por regravações de sambas de Martinho, alguns já gravados pelo cantor, compositor e músico fluminense, outros ainda inéditos na voz do autor. Tal título se ajustaria ao álbum que o artista está lançando nesta última semana de agosto, “De Bem Com A Vida” (Sony Music). A rigor, trata-se de disco de músicas inéditas – o primeiro desde Martinho desde “Do Brasil E Do Mundo” (2007). Contudo, tal como o disco de 1985, “De Bem Com A Vida” inclui vários sambas já gravados entre as 14 faixas. Seis, para ser exato.

Produzido por André Midani, com assistência de Preto Ferreira (filho de Martinho), “De Bem Com A Vida” celebra a existência humana na maior parte das letras, faz louvações a Deus e refaz o elo africano com o semba dos ancestrais, mas não chega a empolgar. Falta vivacidade aos arranjos calcados no violão, no cavaquinho e na percussão – o que denota certa desatenção do produtor. Falta uma vibração condizente com o alto astral exprimido já no título “De Bem Com A Vida”.

A disritmia fica evidente na gravação do samba-enredo, “GRATIDÃO MUSICAL” (Sereno / Martinho da Vila), que encerra o álbum. Mas há bons momentos, claro. Se não houvesse, não seria um disco de Martinho da Vila, um dos maiores compositores do Brasil, batuqueiro com orgulho da militância vascaína, da vivência na escola de samba que lhe deu o sobrenome artístico, a Unidos de Vila Isabel, e da fé no país, como explicita em “SOU BRASILEIRO” (Martinho da Vila), samba com a cadência típica do autor.

Outro bom momento do disco é o diálogo ágil do choro com o samba feito em “ESCUTA, CAVAQUINHO!” – primeira parceria de Martinho com o compositor e poeta mineiro Geraldo Carneiro – através da interação do toque do cavaquinho de Alaan Monteiro com o toque do violão de Gabriel de Aquino. Ainda dentro do universo do choro, a recriação de “CHÔRO CHORÃO” (Martinho da Vila, 1975) – feito pelo compositor para álbum da cantora Ademilde Fonseca (1921 – 2012) e gravado por Martinho na sequência, no álbum Rosa do povo (1976) – tem passagens instrumentais que erguem a ponte lusófona entre Brasil, Portugal e Angola.

A mesma Angola é citada – ao lado de outros países do continente africano – em “DO ALÉM” (Arthur Maia / Martinho da Vila), faixa encorpada com coro masculino e tambores percutidos por Gabriel Policarpo que evocam toda a ancestralidade afro-brasileira que também pauta “DAQUI, DE LÁ E DE ACOLÁ” (Francis Hime / Olivia Hime / Martinho da Vila) e “SARAVÁ! SARAVÁ!” (Ivan Lins / Martinho da Vila, 2004), samba lançado por Simone no álbum ‘Baiana da Gema‘ (2004) em gravação feita com adesões de Zeca Pagodinho, Dudu Nobre e do próprio Martinho.

Foi também a cantora baiana quem lançou “DANADINHO DANADO” (Zé Catimba / Martinho da Vila, 1995) no álbum Simone Bittencourt de Oliveira (1995) em outra gravação feita com Martinho. “DANADINHO DANADO” é recriação que joga contra ‘De Bem Com a Vida’ porque Martinho jamais expressa no canto a malícia de toda mulher. Escrita sob ótica feminina, a letra pede essa malícia.

Capa do CD: De Bem Com A Vida - Martinho da Vila, 2016Também criados sob a mesma ótica, mas no caso como evocação feminina de ‘Disritmia’ (Martinho da Vila, 1974), “AMANHÃ É SÁBADO” (Martinho da Vila, 2015) é samba menos inspirado que o compositor fez para Roberta Sá e que gravou com a cantora no recente álbum “Delírio” (2015). O registro de Martinho evolui sem força no desfile das 14 músicas do álbum, cujo repertório rebobina outro samba pouco inspirado composto com evocação no sucesso “Disritmia“. Além de contribuir para desvirtuar o conceito de felicidade recorrente no repertório, pelo traço melancólico da letra, “DISRITMOU” (Carlinhos Vergueiro / Martinho da Vila, 2009) reitera a oscilação do álbum, que acerta o passo em dois sambas criados somente por Martinho e gravados com o rapper paulistano Criolo.

ALEGRIA, MINHA ALEGRIA!” é partido que expõe a altitude do amor de Martinho pela filha caçula Alegria. Faixa já lançada como single, o samba-título ‘De Bem Com a Vida’ expõe Martinho em casa. É fato que Criolo faz discursos cheios de clichês em ambas as faixas, mas a participação do rapper – ele também um artista de bem com a vida – valoriza o álbum, cuja capa expõe Martinho no traço de Elifas Andreato, artista recorrente na discografia do sambista.

O repertório inclui ainda tema de alto teor erótico, “SAMBA SEM LETRA” (Martinho da Vila / Marcelinho Moreira / Fred Camacho), composição aquém do histórico do trio de autores. Por fim, há a única faixa que foge do arranjo de violão-cavaquinho-percussão recorrente ao longo do disco. É “MUITA LUZ” (1985), faixa com o clima musical de João Donato, parceiro de Martinho no tema e piloto dos teclados da gravação em que ouve-se o violino de Jorge Mautner citar a cantata Jesus, alegria dos homens (Johaan Sebastian Bach, 1723). “MUITA LUZ” tem parte da letra declamada por Martinho nesta gravação que alcança maior claridade do que o registro original feito pelo sambista em “Criações e Recriações”, o álbum de 1985.

Em que pesem eventuais disritmias, Martinho da Vila consegue impedir que o samba atravesse em ‘De Bem Com a Vida‘, embora o álbum não faça jus à expectativa alimentada pelos nove anos de espera por disco de inéditas do artista.

Mauro Ferreira

FAIXAS

(Sony Music – 88985337492, CD)

01. Escuta, Cavaquinho!
(Martinho da Vila / Geraldo Carneiro)

02. Chôro Chorão
(Martinho da Vila)

03. Danadinho Danado
(Zé Catimba / Martinho da Vila)

04. Amanhã É Sábado
(Martinho da Vila)

05. Samba Sem Letra
(Martinho da Vila / Marcelinho Moreira / Fred Camacho)

06. Disritmou
(Martinho da Vila / Carlinhos Vergueiro)

07. Do Além
(Arthur Maia / Martinho da Vila)

08. Daqui, De Lá E De Acolá!
(Francis Hime / Olivia Hime / Martinho da Vila)

09. Saravá, Saravá!
(Ivan Lins / Martinho da Vila)

10. Muita Luz
(Martinho da Vila / João Donato)

11. Alegria, Minha Alegria!
(Martinho da Vila)
part: Criolo

12. De Bem Com A Vida
(Martinho da Vila)
part: Criolo

13. Sou Brasileiro
(Martinho da Vila / Mané do Cavaco)

14. Gratidão Musical
(Sereno / Martinho da Vila)