Escolha uma Página

Zeca Pagodinho, 2002 – Deixa a Vida me Levar

25 mar, 2017 | Álbuns

“Deixa a vida me levar, vida leva eu
Deixa a vida me levar, vida leva eu
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu”

O jornalista Chico Pinheiro contou, certa vez, que quando colocava os filhos para dormir cumpria o seguinte ritual: rezava com a garotada um Pai-nosso, uma Ave-Maria e logo em seguida pedia para que repetissem o refrão do samba acima destacado. Para ele, “samba em feitio de oração”.

É claro que Zeca, com seu tino para repertório, imaginava que esta seria uma das músicas de sucesso do novo CD, mas acabou se surpreendendo com a projeção por ela alcançada. O samba virou um hino, não só da Copa do Mundo de Futebol de 2002, quando o Brasil foi pentacampeão, mas também dos brasileiros que o cantam, até hoje, como se fossem libertados das pressões do dia a dia: “Vida leva eu”.

E Pagodinho, que nunca fez um gol na vida, que foi expulso de uma escolha para integrar um time de futebol por ficar mais concentrado na paisagem em tomo do campo do que na bola, estava lá, no trio elétrico, junto com a seleção brasileira desfilando por toda a cidade para um público de cerca de 500 mil pessoas. “- Fiquei muito orgulhoso e emocionado por estar ao lado dos pentacampeões, no alto do trio, e o povo lá embaixo acompanhando a cantoria”, confessa o sambista.

“Eu já passei por quase tudo nesta vida
Em matéria de guarida espero ainda minha vez
Confesso que sou de origem pobre
Mas meu coração é nobre, foi assim que Deus me fez
E deixa a vida me levar (vida leva eu)
Sou feliz e agradeço por tudo que Deus me deu”

O samba, de Serginho Menti e Eri do Cais, dava titulo ao 15° disco de Zeca Pagodinho que reunia, além dos autores citados, um time de compositores de primeira como Monarco, Ratinho, Arlindo Cruz, Trio Calafrio, Wilson Moreira, Nei Lopes, a dupla Candeia e Waldir 59, o próprio Zeca – em uma parceria com Mauro Diniz Dunga e Roque Ferreira, entre outros. Além disso, o álbum trazia diversos estilos musicais.

“Deixa a vida me levar” era mais um daqueles sambas apresentados a Zeca, e por ele aprovados, que não foram gravados de imediato, mostrando assim que mais do que saber o que gravar, o artista, inexplicavelmente, sabe quando gravar. Há quem diga ser isto fruto de uma musicalidade quase espiritual, como podemos observar na fala de Pagodinho: “- Já tinha escutado e achado um petardo a música do Meriti, mas quando ela me foi apresentada pela primeira vez, instintivamente, não achei que fosse chora de gravá-la. Assim como aconteceu com várias outras que eu ouvi.”

Responsável pela produção musical do CD, Rildo Hora conta que após a entrada da canção no repertório, já dentro do estúdio ela recebeu o belíssimo arranjo de Paulão 7 Cordas. Um dia depois da gravação, o produtor se deparou com o corredor cheio de amigos de Zeca, que costumavam frequentar o estúdio da Companhia dos Técnicos durante a fase dos trabalhos. Eram umas sessenta pessoas e Rildo resolveu usá-las para entoar o refrão: “Deixa a vida me levar”. “Parecia que o Zeca estava cantando com o Maracanã. Imagina esse povo cantando essa frase em três canais? Era como uma multidão”, lembra-se Rildo.

Talvez tenha sido este um dos motivos que levou Luiz Felipe Scolari a escolher o samba para levantar o ânimo dos jogadores na concentração. Em entrevista, o técnico fala que a música simbolizava a chegada dos jogadores brasileiros nos estádios porque iam jogar bola em clima de festa. “- No jogo final, enquanto os jogadores da Alemanha desciam do ônibus sisudos e frios, os nossos chegavam com pandeiro, sambando. Os alemães olhavam assustados e pensavam: são loucos.” A música, então, acaba alcançando repercussão não só aqui, mas também em todo eixo Japão-Coreia.

O ano de lançamento do disco marca também a mudança de endereço do artista que, para proporcionar uma melhor educação para os filhos, troca Xerém pela Barra da Tijuca. Embora seja um sujeito cosmopolita, se depara com as diferenças socioeconômicas e culturais dos dois lugares e estranha. Além do preço do alface – “- em Xerém ele custava a metade” -, Zeca levou um susto quando foi comprar um tapete e soube que a peça escolhida custava 30 mil reais. “- Por que este preço, ele voa?”, perguntou ele à vendedora. Outra falta que o sambista sentia era a dos botequins. “- Aqui na Barra não tem botequim, não tem um bêbado pra conversar”, dizia ele, que mais tarde iria ver mudar todo esse panorama, mas isso contaremos depois. Com a falta do que fazer, Zeca começa a malhar. Contrata um personal trainer e descobre que tem um braço maior do que outro, uma perna também e, para completar, tem escoliose. Depois deste diagnóstico, declara: “- Não imaginava que tinha nada disso, quando subia no palco ouvia sempre: ‘lindo’ e acreditei!.”

01. MEU MODO DE SER
(Zé Roberto)

02. SALVE ESTE MUNDO, MENINO
(Bidubi/ Brasil/ Fá do Tuiuti)

03. DEIXA A VIDA ME LEVAR
(Serginho Meriti/ Eri do Cais)

04. PRA GENTE SE AMAR
(Arlindo Cruz/ Maurição/ Acyr Marques)

05. TÁ RUIM, MAS TÁ BOM
(Alamir/ Clemar/ Zé Carlos)

06. LETREIRO
(Dunga/ Roque Ferreira)

07. CAVIAR
(Luiz Grande/ Barbeirinho do Jacarezinho/ Marcos Diniz)

08. CALANGUEEI
(Almir Guineto/ Fernando Boêmio)

09. AMOR, NÃO ME MALTRATE
(Monarco/ Alcino Corrêa)
com: Velha Guarda da Portela

10. BELO ENCONTRO
(Wilson Moreira)

11. CHOVE, É O CÉU QUE CHORA
(Zeca Pagodinho/ Mauro Diniz)

12. DEBAIXO DO MEU CHAPÉU
(Nei Lopes)

13. NEGA JUDITE
(Flavinho Silva/ Aleandro Dimenor/ Silvio Eduardo)

14. RIQUEZAS DO MEU BRASIL (Samba Enredo)
(Candeia/ Waldir 59)
com: Velha Guarda da Portela

Uma produção UNIVERSAL MUSIC dirigida por RILDO HORA Direção Artística: MAX PIERRE Gerência Artística: RICARDO MOREIRA • Gravado e Mixado no Estúdio CIA DOS TÉCNICOS – RJ Gravado por LUIZ CARLOS T. REIS, WILLIAN JR e J. SARTORI “MAGRO” (palmas) • Mixado por FLAVIO SENNA • Assistentes de Estúdio: FELIPE MEDEIROS, WILSON JACOUD, MARIO HENRIQUE, SANDRO RANGEL, RAFAEL IGNÁCIO e GUILHERME MEDEIROS • Masterizado no MAGIC MASTER • Por RICARDO GARCIA • Assistente da Direção Musical: PAULÃO • Controle de Gravação: CHICO DONADONI • Assistente de A&R: BARNEY Fotos: ADRIANA LINS • Ilustrações: LAN • Figurino: CECILIA DE SOUZA • Projeto Gráfico: CAROL SANTOS • Direção de Arte: GÉ ALVES PINTO

MÚSICOS PARTICIPANTES:
RILDO HORA Arranjo e Regência nas faixas 1,1434,8,12; Realejo (Gaita) nas faixas 1,2,5.6,8 PAULÃO Arranjo e Regência nas faixas 3,7,10; Violão em todas as faixas • MAURO DINIZ Arranjo e Regência nas faixas 9,11; Cavaco nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,1 0,1 1; Cavaco solo na faixa 11 • JOÃO DE AQUINO Arranjo, Regência e Violão nas faixas 1 3,14 • CARLINHOS 7 CORDAS Violão de 7 cordas nas faixas 3,5,6,7,10,11 • JORGE SIMAS Violão de 7 cordas nas faixas 9,12 • PAULINHO SOARES Cavaco nas faixas 3,7,12; Cavaco afinação de Bandolim nas faixas 7,12 • HENRIQUE CAZES Cavaco solo nas faixas 3,6,7 • MARCIO ALMEIDA Cavaco nas faixas 13,14 • ALCEU MAIA Cavaco na faixa 14 • IVAN MACHADO Baixo nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,10,11,13,14 • MAURÍCIO ALMEIDA Baixo “M. Zaganim” nas faixas 3,7,12 • ARLINDO CRUZ Banjo nas faixas 4,5,6; Cavaco nas faixas 2,8 • MARCÍLIO LOPES Bandolim nas faixas 1,2,5 • ALFREDO GALHÕES Piano Acústico nas faixas 3,4; Teclado na faixa 10 • MISAEL DA HORA Piano Acústico na faixa 1 • CRISTÓVÃO BASTOS Piano Acústico na faixa 6 • DIRCEU LEITTE Flauta nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,12,13,14; Flauta em sol na faixa 9; Clarinete nas faixas 9,14; Flautim nas faixas 1,2; Sax e Pirofone na faixa 13 • ALEXANDRE ROMANAZZI Flauta nas faixas 1,2,6 • MARCELO BERNARDES Flauta nas faixas 4,12; Sax-alto na faixa 2; Sax- tenor nas faixas 1,8 • EDUARDO NEVES Flauta na faixa 3; Flauta em sol na faixa 6; Sax-tenor nas faixas 5,12 • CRISTIANO ALVES Clarinete nas faixas 1,2,4,5,6,8,12 • ROBERTO MARQUES Trombone nas faixas 1,4,5,6 8,9,10,12 • NELSON OLIVEIRA Trompete nas faixas 1,2,4,12; Flugel na faixa 8 • NILTON RODRIGUES Trompete nas faixas 4,12; Flugel na faixa 8 • JESSÉ SADOC Trompete nas faixas 13,14; Flugel na faixa 13 • FLAVIO MELO Trompete nas faixas 1,2 • ELIEZER RODRIGUES Tuba na faixa 2 • JORGE GOMES Bateria nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,10,11 • J. B. MAIA Bateria nas faixas 3,7,12 • ADEMIR BATERA Bateria nas faixas 13,14 • GORDINHO Surdo nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,10,11,13,14 • URACI CARDOSO Surdo nas faixas 3,7,12; Caixa nas faixas 2,9,10,14; Tamborim na faixa 14 • BELÓBA Tantã nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,10,11,13,14; Caixa nas faixas 2,9,10,14; Tamborim na faixa 14; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • MARCOS ESGULEBA Pandeiro nas faixas 1,2,4,5,6,8,9,10,11,13,14; Caixa nas faixas 2,9,10,14; Tamborim nas faixas 1,3,9,10,11,14; Prato e Faca nas faixas 6,7; Atabaque nas faixas 2,6,14; Tantã nas faixas 3,7,12; Reco-reco nas faixas 7,13; Repique de mão nas faixas 3,5,10,12,13; Caixeta na faixa 8; Ganzá na faixa 14; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • BIRA PRESIDENTE Pandeiro nas faixas 1,2,4,5,6,9,11,13,14 • UBIRANY Repique de mão nas faixas 1,4,6,9,11,13,14; Caixinha nas faixas 4,11 • JAGUARA Caixa nas faixas 2,9,10,14; Reco-reco nas faixas 5,6,13; Pandeiro nas faixas 3,7,8,10,12; Triângulo na faixa 8; Agogô na faixa 2; Repique de mão na faixa 13; Tamborim e Atabaque na faixa 14; Talk-drums na faixa 6; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • MACALÉ Caixa nas faixas 2,9,10,14; Pandeiro nas faixas 3,7,1 2; Tamborim na faixa 14; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • TRAMBIQUE Caixa nas faixas 2,9,10,14; Ganzá nas faixas 9,12; Repique de anel nas faixas 1,7,11; Tamborim nas faixas 10,14; Caxixi na faixa 3; Reco-reco e Repique na faixa 13; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • FELIPE DE ANGOLA Tamborim nas faixas 3,7,12; Reco-reco nas faixas 3,10; Palmas e Zorra nas faixas 2,3,5,6,8,12 • NELCI PELÉ Conga na faixa 1 3; Tamborim na faixa 14 • BUDA Tamborim nas faixas 4,5 • ZECA DA CUÍCA Cuíca nas faixas 5,12 • CHICO CHAGAS Acordeom nas faixas 2,7 • CHEFE Reco-reco na faixa 9 • ZÉ CRUZ Chapéu de palha na faixa 6 • OSWALDO CAVALO Xequerê na faixa 14 • KIKO Acordeom na faixa 8; CORDAS nas faixas 1 2 • Violinos: BERNARDO BESSLER (spalla), MICHEL BESSLER, JOÃO DALTRO DE ALMEIDA, JOSÉ ALVES DA SILVA, PAULA BARBATO, ANTONELLA PARESCHI, CARLOS EDUARDO HACK, CARMELITA REIS, WALTER HACK, MARIANA ISDEBSKI SALLES, JOSÉ ROGÉRIO MARTINS e PASCHOAL PERROTA (coordenação) • Violas: FREDERICK STEPHANY, JESU1 NA PASSAROTO, MARIE CHRISTINE BESSLER e JOSÉ RICARDO TABOADA • Ceifas: JAQUES MORELENBAUM, ALCEU REIS, MARCELO ISDEBSKI SALLES e YURA RANEVSKI • CORO: ZÉLIA, DINORAH, ISABEL, IRCÉA, PATRÍCIA HORA, ARI BISPO, RIXXA, MAESTRO LEONARDO BRUNO e OSWALDO CAVALO Em todas as faixas e Zorra na faixa 7 • VELHA GUARDA DA PORTELA: SURICA, TIA DOCA, EUNICE, ÁUREA MARIA, MONARCO, TIO JAIR, CASEMIRO, ARGEMIRO, GUARACY, CASQUINHA, CABELINHO, DAVID e SERGINHO PROCÓPIO Faixas 9 14 • BIDUBI Faixa 2 • ZÉ ROBERTO Faixa 1