Escolha uma Página

Este disco é o produto de um caso de amor entre um jovem japonês, Katsunorl Tanaka, e a música popular brasileira. Tanaka não é um japonês investidor, em busca de reprodução de capital. É um trabalhador comum, que resolveu aplicar a sua poupança num tipo de música brasileira que as nossas, gravadoras não querem gravar.

Nélson Sargento chama-se, no registro civil, Nélson Mattos (ele faz questão dos dois t). Seu apelido surgiu do tempo em que era sargento do Exército, quando era identificado de duas maneiras: no quartel, era o Sargento Nélson: na Mangueira, o Nélson Sargento.

Mas não é sobre o apelido de Nélson que desejo falar. Quero, na verdade, é chamar a atenção para um homem que absorve como poucos outros o qualificativo de artista. Nélson é um artista, pronto e acabado. É um poeta, um cronista, um humorista, um pintor (de quadros e de parede) e um compositor admirável. Tem o talento e a emoção do artista. Um homem do povo, que enfrenta todas as graves dificuldades que desabem sobre o trabalhador brasileira mas que nunca abriu mão de sua condição de artista. Ele cria sua obra, vai para o batente para sustentar a família e ainda pensa na obra de quem o influenciou. Canta as músicas do padrasto. O velho Alfredo Português, homenageia Cartola com um samba e escreve um livro sobre Geraldo Pereira (edições Funarte). Coisa de artista.

Aqui está Nélson Sargento, acompanhado por vários amigos, músicos, compositores e cantores, apresentando músicas que expressam maravilhosamente a criatividade do sambista. Razão pela qual chamo a atenção do ouvinte para o fato de que adquiriu mais do que um disco. Aqui está um documento de importância histórica: é a obra de um artista, de um grande artista do povo e que a gente conhece pelo nome de Nélson Sargento.

O caso de amor de Tanaka é exatamente com essa música bonita, expressiva, forte, verdadeira e que os donos do consumo não prestigiam por considerá-la não comercial. Também sou apaixonado por essa música, mas isso não é nada demais, porque sou daqui. Razão pela qual homenageio o amigo do outro lado do mundo, a quem manifesto a minha gratidão e a quem louvo pela coragem e pelo bom gosta.

SÉRGIO CABRAL

01 Encanto da Paisagem (Nelson Sargento)
02 Homenagem ao Mestre Cartola (Nelson Sargento)
03 Vim Lhe Pedir (Nelson Sargento-Cartola)
04 Vai Dizer a Ela (Nelson Sargento)
05 De Boteco em Boteco (Nelson Sargento)
06 Idioma Esquisito (Nelson Sargento)
07 Só Voltarei (Nelson Sargento)
08 Mar de Lágrimas (Nelson Sargento-Guilherme de Brito)
09 Prometo Ser Fiel (Nelson Sargento)
10 A Felicidade Se Foi (Nelson Sargento) *voz: Cláudia Savaget
11 Amante Vadio (Nelson Sargento-Zé Luiz)
12 Agoniza Mas Não Morre (Nelson Sargento) *voz: Beth Carvalho-Velha Guarda da Mangueira

Newsletter

Receba as novidades do blog

[dvk_social_sharing social_options="facebook,twitter" twitter_username="sambaderaiz" before_text="Compartilhe!" twitter_text="twitter" facebook_text="facebook"]

Divulgue o samba:

Compartilhe...