Escolha uma Página

DORINA – Eu Canto Samba – 1996

23 mar, 2017 | Álbuns | 0 Comentários

“Ela canta o samba com alegria e maestria”. Esse depoimento do mestre Zeca Pagodinho, em meios a outros de grandes sambistas em seu site oficial, retrata com exatidão o que é e quem é Dorina. Nascida em Irajá, criou-se junto aos blocos carnavalescos do subúrbio, como os Bohêmios de Irajá. Ligada ao samba mais tradicional, essa cantora carioca, apesar de não ter um apoio merecido da mídia, é considerada um dos ícones do movimento.

14

Leblon Records LB 047, CD
por.: Marcelo Oliveira

Foi apresentada ao grande público por nada mais nada menos que Paulinho da Viola, quando gravou esse seu primeiro disco, em 1996, EU CANTO SAMBA, pela Leblon Records, com o qual ganhou o “Prêmio Sharp” de revelação de samba daquele ano.

Produzir o primeiro trabalho foi mesmo uma atitude de coragem. Em 1995, Dorina saiu da empresa em que trabalhava e, com o fundo de garantia, lançou seu primeiro CD: “- Um trabalho em homenagem ao grande cantor e compositor Paulinho da Viola. Eu trabalhava com informática, mas sempre gostei de cantar. Nunca precisei aprender a cantar, pois sempre cantei, desde os seis anos de idade”, ri Dorina.

Com esse trabalho também apresentou-se por quase um ano com o show homônimo, nas cidades do Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Recife. No repertório do CD, autores consagrados, como Paulinho da Viola em “Eu Canto Samba” (a faixa-título): “Eu canto samba/Por que só assim eu me sinto contente/Eu vou ao samba/Porque longe dele eu não posso viver”; Chico Buarque (Tem Mais Samba): veteranos do samba de raiz, como Mijinha (Sentimentos): “Sentimento/Em meu peito eu tenho demais/Alegria que eu tinha nunca mais/Depois daquele dia/Em que eu fui sabedor/Que a mulher que eu mais amava/Nunca me teve amor” e outros compositores ligados ao samba, como Acyr Pimentel (Estrela de Madureira): “Brilhando num imenso cenário/Num turbilhão de luz, de luz/Surge a imagem daquela/Que o meu samba traduz” e Délcio Carvalho, Paulo César Feital e Altay Veloso.

  1. Bonifácio
    Mário Gago
  2. Estrela de Madureira
    Alcyr e Cardoso
  3. Brasil nas Veias
    Délcio Carvalho e Paulo C. Feital
  4. Tá Valendo
    Paulo C. Feital e Altay Veloso
  5. Tem mais Samba
    Chico Buarque
  1. Sentimentos
    Mijinha
  2. Casa Colonial
    Jorge Aragão e Paulo C. Feital
  3. Era Carnaval
    Délcio Carvalho e Jorge Simas
  4. Vã Filosofia
    Paulo C. Feital e Altay Veloso
  5. Eu Canto Samba
    Paulinho da Viola

Produção Artística: Reginaldo de Faria e Silva
Direção Artística: Otávio Garcia
Arranjos: Roger Henri nas músicas Tá valendo, Brasil nas veias, Casa colonial, Eu canto samba, Vã filosofia e Estrela de Madureira, Paulão nas músicas Sentimentos, Era carnaval, Bonifácio e Tem mais samba
Músicos: Márcio de Almeida (cavaquinho), Trambique, Felipe, Elias e Ary (percussão), Mauricio de Almeida (baixo), Alexandre “Bigú” (violão), Lobão Ramos (teclado), Jorge Gomes (bateria) e Marco Antonio (programação de bateria)
Part. Especial: Paulão (violão e violão 7 cordas), Roger Henri (teclados), Mauro Diniz (cavaquinho), Adriano Giffoni (baixo), e Dirceu Leite (flauta, clarinete e sax tenor)
Gravado e mixado nos estúdios: Drum e Leblon Records
Técnicos: Alexandre Hang, Willian Junior e Paulinho Palhares
Capa: Ricardo Casaes